domingo, setembro 5

Decifre as palavras difíceis do hino nacional para cantar direito no Sete de Setembro


Decifre as palavras difíceis do hino nacional para cantar direito no Sete de Setembro

     
   A letra do hino nacional tem 101 anos; a melodia, 188. Escrito em 1909 por Joaquim Osório Duque Estrada, o texto apresenta um vocabulário rebuscado, difícil. E as frases nem sempre são escritas na ordem direta. Logo de cara ("Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado..."), nota-se uma forte inversão da ordem natural das palavras.
     Quer ver como fica o começo do hino se "desentortarmos" a frase?
 Vamos lá: As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico. Melhorou um pouco, não? Na verdade, falta a segunda parte, que é o vocabulário: "plácidas" quer dizer "calmas"; "brado retumbante" significa "grito forte, que provoca eco, que ecoa". Pronto! Agora está claro, não?
      Bem, que tal traduzirmos algumas das palavras difíceis do texto? Vamos lá: "raios fúlgidos" são raios que brilham; "penhor" significa "garantia"; "em teu seio" (opa! nada de achar que se fala de...) significa "em teu interior"; "impávido colosso" significa "colosso/gigante destemido, que não se abala"; "fulguras, ó Brasil, florão da América" significa "brilhas, ó Brasil, como a grande flor da América".

Autor:PASQUALE CIPRO NETO
Fonte: Folhinha.com

Vamos cantar?


Parte I
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria nesse instante.
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!
Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece.
Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!
Parte II
Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!
Do que a terra, mais garrida,
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida no teu seio mais amores.

Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
- "Paz no futuro e glória no passado."
Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

4 comentários:

Anônimo disse...

Richard de Assis Borges N:35 6B
É sempre bom se lembrar do hino do nosso país, pois embora pareça que todos sabem, a maioria canta somente "Pátria amada Brasil". Igual a Vanuza, errou o hino nacional feio. Foi humilhante. Então treine para a gincana para também não se humilhar.

Anônimo disse...

ALELUIA. ATE QUE EM FIN ESSE RICHARDE FEZ UM COMENTARIO PIQUENO!!!

Prof. Lu disse...

kkkkkkkkk. Deixa o Richard!

Ele está certo...amanhã terão prova do Hino Nacional, é bom ir treinando logo...

bjs

micka disse...

oi
isso e verdade

Postar um comentário